Hello

Mês: fevereiro 2017

O que é uma mãe tóxica?

O termo “pais tóxicos” foi popularizado pela terapeuta norte-americana Susan Forward em seu best-seller internacional Toxic Parents, lançado no final dos anos oitenta.  Desde a sua publicação, o termo “toxic parent” ou “pai/mãe tóxico” tem sido amplamente usado como jargão psicoterápico para ilustrar um tipo de pai ou mãe deficiente e cujo comportamento exerce um impacto negativo significativo no desenvolvimento da criança. Como se fosse exposta a uma fonte insidiosa de veneno por um período prolongado, após anos sob a influência direta de um pai ou mãe tóxica, o filho ou filha acaba desenvolvendo problemas psicológicos e emocionais sérios como a depressão crônica, a falta de autoestima e amor-próprio, a dificuldade de estabelecer e manter relacionamentos e limites pessoais saudáveis e de se realizar no campo profissional, assim como transtornos de ansiedade, tal como o de estresse pós-traumático.

A seguir uma lista de exemplos de mães tóxicas para facilitar o seu entendimento sobre o termo:

Mãe inadequada/negligente: concentra-se exclusivamente em seus próprios problemas e faz os filhos responsáveis por seu bem-estar, tratando-os como adultos e não como crianças. O relacionamento entre mãe e filho/filha é marcado pela inversão de papéis em que o segundo age como pai ou mãe da primeira. Os sentimentos e carências dos filhos são ignorados, além dos interesses pessoais destes serem sistematicamente descartados.

Mãe controladora: usa de chantagem emocional para manipular o(a) filho/filha através da culpa e vergonha para conseguir o que quer em todas as situações. Além disso, faz uso de seu título de mãe/adulto responsável para justificar a sua atitude dominadora e sua obsessão em fazer com que todos sigam suas ordens, recomendações, “conselhos” ou “ajuda”, mesmo quando não requisitados ou incoerentes. O relacionamento é marcado pela desigualdade e invalidação da autonomia e dos limites pessoais dos filhos.

Mãe alcoólatra e/ou dependente de drogas: seu comportamento é errático e o humor incontrolável. Não dispõe de tempo ou energia para cuidar das necessidades básicas dos filhos e cumprir com os deveres de mãe e adulto responsável por seu bem-estar, seja físico ou psicológico/emocional. O relacionamento é marcado pela codependência, insegurança e períodos de altos e baixos.

Mãe que abusa do(a) filho/filha verbalmente: usa de palavras duras, criticas destrutivas, sarcasmo e agressividade passiva para desmoralizar, invalidar, ridicularizar e rejeitar os filhos para tirar-lhes o senso de identidade, autonomia, individualidade e autoconfiança. O relacionamento é marcado pela desarmonia, por discussões e desentendimentos constantes.

Mãe que abusa do(a) filho/filha fisicamente: é incapaz de controlar a sua frustação, descontentamento pessoal e raiva descontando-os com toda a força nos filhos por meio de agressão física, sempre os culpa por seus humores e atitude descontrolada. O relacionamento, portanto, é marcado pela instabilidade e governado pelo medo e ansiedade.

Mãe que abusa do(a) filho/filha sexualmente: é incapaz de controlar seus impulsos físicos e usa da confiança e pureza destes para servir aos seus interesses egoístas e desejos aberrantes. O relacionamento é marcado pelo medo, pela culpa e vergonha. A criança tem sua autoconfiança, limites pessoais e senso de autoimagem destruídos por esta relação incestuosa.

Embora nem todas as mães tóxicas sejam narcisistas, toda a mãe narcisista é tóxica, podendo exibir mais do que um ou até todos os comportamentos listados. Mesmo que você não tenha certeza de que sua mãe possua um transtorno de personalidade como o narcisismo, se vocês têm problemas sérios de relacionamento, a probabilidade de que ela seja, no mínimo, tóxica é muito grande. Para que você supere o legado deste relacionamento e restaure a sua saúde mental, eu recomendo um tratamento psicoterápico.

Referência:

Forward, S. (1989). Toxic Parents. New York, NY: Bantam Books.

O que é uma mãe tóxica

A mãe tóxica exerce um impacto negativo no desenvolvimento da criança

Scroll to top