Hello

Mês: março 2019

A cultura familiar de incesto emocional e codependência

Para quem é brasileiro ou português e provém de uma família tóxica, “ser filho” equivale a um grande peso. Este sentimento corresponde a uma cultura familiar sustentada por valores rígidos e obsoletos, os quais supervalorizam as necessidades dos pais e negligenciam as dos filhos. Tal cultura é centrada extensivamente nas emoções, carências, vontades e interesses dos genitores, além de promover uma dinâmica relacional disfuncional que nega a existência de limites pessoais e desencoraja a autonomia, seja psicológica, emocional ou, até, financeira, de todos os membros da família. Estas famílias são comumente referidas, também, como “emaranhadas” (enmeshed), pois são constituídas de relacionamentos cujos limites pessoais são bastante turvos e imprecisos, bem como os papéis de pai/mãe e filho/filha. Essa cultura difunde a visão de que os filhos encontram-se em eterno débito em relação aos pais, cultiva-se de geração em geração através de culpa, medo e vergonha, além de uma atitude abusiva de incesto emocional e de codependência.

A cultura familiar de incesto emocional e codependência

Em um relacionamento emocionalmente incestuoso, o pai e/ou mãe usa o filho para atender às necessidades que deveriam ser supridas por si mesmo ou outros adultos

Em um relacionamento emocionalmente incestuoso, o pai e/ou mãe usa o filho para atender às necessidades que deveriam ser supridas por si mesmo ou outros adultos, condicionando-o, desde pequeno, a concentrar-se no seu bem-estar e não no de si próprio. Recentemente, fui lembrada por um cliente brasileiro desta dinâmica disfuncional e que, embora muito comum, raramente é questionada. Em um momento bastante estressante e delicado financeiramente de mudança de residência, o cliente em questão foi comunicado de que a mãe havia se internado em um hospital privado para tratar um problema de saúde. Conversando ao telefone com ela, “compreendeu” que lhe era esperado que arcasse com todas as despesas hospitalares. Sentindo-se dominado por um grande sentimento de obrigação com a mãe porque cuidava dos filhos quando precisava, aceitou a incumbência sem ao menos esclarecê-la acerca de sua atual situação. Sem demonstrar o mínimo interesse sobre a sua condição atual – como lhe é de costume – a genitora aceitou a oferta do filho de boca fechada e mãos abertas. Para garantir os padrões de cuidado esperados pelos pais, o meu cliente teve de pedir um empréstimo no banco, endividando-se, ainda mais.

Nesse exemplo, fica claro que as necessidades da mãe prevalecem sobre as do filho. Fica evidente ainda que os seus sentimentos de inadequação, tais como a vergonha e o medo de ser internada em um hospital público, não foram lidados de forma honesta, aberta e autônoma, mas descarregados nas costas do filho para que os “resolvesse”. Embora o meu cliente também tenha se sentido sobrecarregado e cansado, tanto física como emocionalmente, não ocorreu aos genitores, em nenhum momento, oferecerem-no ajuda tampouco demonstrarem empatia com o período atribulado que atravessa. A lavagem cerebral a qual foi submetido desde criança e o acordo silencioso e de mérito irrefutável de que é sua obrigação não somente antecipar, mas também estar permanentemente disponível para atender as necessidades dos pais foi suficiente para que ignorasse as suas, as dos filhos e as da esposa e se sacrificasse por eles.

No relacionamento familiar codependente, os filhos também servem como garantia de que os padrões e o estilo de vida dos pais serão mantidos quando se tornarem idosos. Esta noção, bastante difundida em meu país de origem, cria um imenso problema na vida de milhões de brasileiros, especialmente, para quem é pai e mãe e se vê sobrecarregado financeiramente não somente com as necessidades da própria família, assim como de seus genitores. Neste cenário, sentem-se compelidos a “ajudar” os pais para “retribuírem” o que fizeram por si, como se a dedicação e o amor de pai e mãe fossem inteiramente condicionais e dependessem de recompensação financeira para serem validados. Em um país onde a corrupção política e o abuso são a regra e não a exceção e cujos cidadãos se veem forçados a compensar com os próprios recursos por um sistema previdenciário falho e que gera grande insegurança pessoal, não é surpreendente que a noção de que seja correto para os filhos comportarem-se como os pais dos próprios pais e isentarem-no da responsabilidade do próprio cuidado e bem-estar é apoiada, inclusive, por uma lei federal.

Portanto, no sistema de troca da família disfuncional, emocionalmente incestuosa e codependente, a bússola moral dos filhos é amplamente voltada para os estados emocionais e necessidades dos pais, já que estes são emocionalmente imaturos para lidarem com a própria inadequação e arcarem com as consequências de suas próprias escolhas e atitudes, como as que influenciam a sua segurança financeira, saúde física e qualidade de seus relacionamentos. De si, é esperado que restaure o seu equilíbrio emocional e supra as suas carências, independentemente de sua natureza. Assim sendo, um filho é considerado competente e bom o suficiente quando consegue compensar pela incapacidade dos pais de agirem de forma emocionalmente autônoma, consciente, madura e condizente com as próprias circunstências (ou sua recusa de aceitarem-nas).

Esta cultura, embora se pressuponha defender os princípios de união familiar e respeito aos idosos, sustenta uma mentalidade de sujeição, servidão, obediência e rejeição que corrompe a harmonia dos relacionamentos familiares e o crescimento e desenvolvimento pessoal de todos os envolvidos. Mesmo quando plenamente capazes, tanto física como intelectualmente, de concentrarem-se no próprio bem-estar e investirem em práticas de cuidado pessoal, tais genitores são negligentes com o corpo e a mente e modelam uma atitude de dependência que tem efeitos danosos tanto na sua saúde, autoestima e identidade, quanto nas dos filhos.

Para quem se vê como uma vítima de tal cultura familiar, é normal sentir-se abandonado, alienado, pequeno e insignificante. No meu trabalho com os filhos e filhas de famílias tóxicas torna-se claro que a cultura familiar reacionária, conservadora e de incesto emocional e codependência, tão reverenciada no Brasil e Portugal, ajuda a perpetuar a exploração e o abuso, além de desembocar, ultimamente, em problemas sérios de saúde mental e relacionamentos. Vale a pena lembrar que o respeito e a união familiar só são genuinamente observados na prática quando se originam da empatia, amor incondicional e respeito à liberdade pessoal e que, por esta razão, são mantidos de forma saudável e, sobretudo, sustentável, tanto pelos pais quanto pelos filhos.

Para um estudo avançado da codependência e dependência emocional, recomendo os meus cursos online “A codependência” e “A dependência emocional”.

Scroll to top