Mês: maio 2023

O autocuidado requer esforço

É comum entre aqueles que investem na saúde mental e física saberem do que se trata o autocuidado. Como conselheira de trauma, falo abertamente com meus clientes sobre a importância de uma rotina de autocuidado, que compreende práticas regulares para promover o bem-estar, tais como: a meditação, os exercícios respiratórios, a ioga, a alimentação saudável, a caminhada e a higiene pessoal, por exemplo. Quando os incorpora com sucesso na sua rotina diária, pratica um bom autocuidado. Quem pratica o autocuidado, regularmente, sente-se mais equilibrado e menos suscetível à sobrecarga emocional.

O autocuidado requer esforço
A meditação, os exercícios respiratórios, a ioga e a alimentação saudável são práticas de autocuidado.

Se cuidar de nós nos faz tanto bem, por que não o fazemos? Por que precisamos ser lembrados por nossas terapeutas da importância de mantermos uma rotina de autocuidado? Porque o autocuidado, para a maioria de nós, exige esforço. Tratar-se com cuidado pode ocorrer naturalmente, em especial para aqueles que sofreram negligência e abuso durante o crescimento e desenvolvimento. As vítimas do trauma complexo tendem a ter uma relação complicada com o corpo. Para esses indivíduos, negligenciar e até abusar de si próprio pode parecer mais instintivo do que adiar a gratificação para priorizar a saúde a longo prazo.

A hipervigilância – um efeito comum do trauma da infância – faz com que a pessoa se sinta constantemente em alerta máximo ou presa no modo de luta ou fuga. Aqueles que sofrem de hipervigilância são propensos ao armouring (tensão em várias partes do corpo), à preocupação excessiva e à ansiedade. Os corpos hipervigilantes também são inquietos e impacientes, portanto, a meditação diária, para alguém assim, representa um esforço gigantesco. Nesses casos, focar na respiração e observar os pensamentos sem julgamento parece contraintuitivo, quando tudo o que se quer fazer é se levantar e se distrair. 

Se você é um sobrevivente do trauma do desenvolvimento/infância, ou sofreu negligência e/ou abuso, é imprescindível que seja gentil consigo próprio. Embora o autocuidado seja bom, não significa dizer que é fácil de fazer. Provavelmente, você achará difícil incorporá-lo à sua rotina diária e, ainda mais difícil, mantê-lo. Não desista. Mais importante ainda, não se castigue por não conseguir acertar logo de cara. Dê tempo a si próprio. Você está ensinando o seu corpo um novo truque – algo que não conhece – então, dê um tempo para que se acostume. Com a prática, você começará a desfrutar dos benefícios de se tratar com cuidado, amor e respeito. Seja paciente e confie no processo.


Scroll to top