Categoria: Limites

Dificuldade para estabelecer limites? Comece a meditar.

Embora concordemos que os limites são fundamentais para o bem-estar psicológico e emocional, poucos de nós sabemos como estabelecê-los de maneira saudável. Isso ocorre porque estabelecer limites, para os inexperientes, tende a desencadear sentimentos de medo, de abandono e/ou rejeição, bem como de culpa e vergonha. Portanto, como um comportamento que nos favorece faz com que nos sintamos mal? A resposta é simples: a natureza configurou o cérebro para estabelecer uma conexão com outros seres humanos, o que permitiu nos desenvolvermos como espécie, mas a um custo emocional e psicológico.

Dificuldade para estabelecer limites? Comece a meditar.
É difícil estabelecer limites

Criado para a conexão, embora tenha sentimentos de medo, vergonha e culpa

A natureza nos ensinou que, para termos uma melhor chance de sobrevivência, devemos cultivar as conexões sociais, já que somos mais fortes em números e quando podemos contar com a ajuda das outras pessoas. Por outro lado, quando estamos sozinhos, tornamo-nos vulneráveis e mais suscetíveis à extinção. Portanto, a prioridade da natureza é manter-nos vivos e em grupos, independente do impacto emocional que isso tenha sobre nós como indivíduos.

Embora a natureza priorize a sobrevivência, ignora outros fatores que nos conferem o bem-estar. Quando aprendemos a estabelecer limites, sentimo-nos culpados por dizer não aos outros e envergonhados por priorizar as nossas necessidades. Além disso, sentimos medo de não sermos mais incluídos no grupo, justamente porque estabelecemos um limite! Isso acontece porque o cérebro age de forma tendenciosa para manter o aspecto social e a sobrevivência. Cabe a nós, como seres humanos evoluídos, contudo, ver além desta tendência e estabelecer limites, até mesmo de nossa própria natureza.

Usando o córtex pré-frontal (CPF) para moderar o comportamento social

O córtex pré-frontal é a área mais externa e evoluída do cérebro. Conforme Kolk e Rakic (2022), “o córtex pré-frontal (CPF) é considerado o substrato das funções cognitivas superiores”, que incluem tomar decisões, controlar o estresse, ser flexível e superar o medo. Por esse motivo, quem pretende ter limites bem estabelecidos deve se dedicar a esta área do cérebro para fortalecê-la. Embora estabelecer limites possa desencadear medo, vergonha e culpa em alguns, aqueles que têm controle sobre os próprios impulsos são capazes de superar o medo de forma autônoma.

A meditação para fortalecer o córtex pré-frontal (e os bons limites)

Vários estudos comprovaram que a meditação promove mudanças na atividade cerebral (vide referências). Lazar et al. (2005), em suas descobertas, mostraram que “as regiões cerebrais associadas à atenção, intercepção e ao processamento sensorial eram mais espessas nos participantes da meditação do que nos controles correspondentes”. A prática da meditação, ao engrossar as áreas corticais, fortalece o CPF que, por sua vez, favorece a capacidade de planejar, cumprir metas e ter autocontrole. Neste sentido, o autocontrole representa um elemento-chave para resistir os sentimentos de medo, vergonha e culpa desencadeados pelo ato de estabelecer limites. Assim sendo, precisamos de um CPF forte para criar e respeitar os nossos limites.

Se estiver interessado em aprender como praticar a meditação para preparar o cérebro para estabelecer limites, recomendo o atemporal Atenção plena (Mindfulness): Como encontrar a paz em um mundo frenético.

Referências:

Kolk SM, Rakic P. (2022). Development of prefrontal cortex. Neuropsychopharmacology, 47(1):41-57. doi: 10.1038/s41386-021-01137-9. Epub 2021 Oct 13. PMID: 34645980; PMCID: PMC8511863.

Lazar SW, Kerr CE, Wasserman RH, Gray JR, Greve DN, Treadway MT, McGarvey M, Quinn BT, Dusek JA, Benson H, Rauch SL, Moore CI, Fischl B. (2005). Meditation experience is associated with increased cortical thickness. Neuroreport., 28;16(17):1893-7. doi: 10.1097/01.wnr.0000186598.66243.19. PMID: 16272874; PMCID: PMC1361002.

Williams M, Penman D. (2023). Atenção plena (Mindfulness): Como encontrar a paz em um mundo frenético. Editora Sextante.

5 sinais que você não respeita os limites das outras pessoas

Impor limites é essencial para aqueles que investem no crescimento e desenvolvimento pessoal. Quando se pensa em limites, associamo-lo a dizer não aos outros, isto serve para mostrar o modo como os limites não são respeitados e o que fazer a respeito. Mas se muitos de nós pensamos desta maneira, quem, então, desrespeita os limites do outro? Poderíamos ser nós, também? Se você acha que se impõe limites fracos, provavelmente tem dificuldade de respeitar os limites das outras pessoas. Para ajudá-lo a ver se incorre nisso, elenca-se 5 sinais que você não respeita os limites das outras pessoas:

Você tem dificuldade de aceitar os limites das outras pessoas?

1- Você tem certeza dos problemas dos outros: você não reconhece os outros como capazes de gerenciarem as suas próprias vidas e acredita ser aquele que conhece a verdadeira raiz do sofrimento deles. Portanto, despende grande energia psicanalisando-os, enquanto ignora as próprias vulnerabilidades e limitações.

2- Você não aceita quando os outros precisam de distância: você se sente pessoalmente atacado quando os outros não querem a sua companhia. Quando expressam a necessidade de se distanciar, não demonstra interesse pelos motivos, tampouco os leva em consideração.

3- Você se ressente dos outros quando não concordam com você: você sente-se rejeitado e alienado quando não consegue influenciar os outros. Além disso, mantém valores rígidos sobre os relacionamentos e tem dificuldade de aceitar a individualidade e separar-se emocional e psicologicamente das pessoas.

4- Você não aceita as limitações dos outros: você tem altas expectativas em relação aos outros e, quando não são atendidas, sente-se inquieto, desapontado e/ou ressentido, pois tem dificuldade de aceitar as pessoas e as coisas como são e não como deseja que sejam.

5- Você não vê os outros de forma íntegra: as suas opiniões sobre os outros são baseadas em projeções ou em como o fazem se sentir. Você vê os outros apenas em seus sofrimentos e limitações para se sentir empoderado e elevar a sua autoestima, embora tenha dificuldade de separar os sentimentos de insegurança e inadequação da percepção sobre estes.

Os relacionamentos são desafiadores e pouco sabemos sobre eles. Os limites saudáveis, portanto, estão no cerne do que torna os relacionamentos funcionais. Saber se impor limites, no entanto, é uma via de mão dupla: você pode tomar consciência dos seus limites, aprender como expressá-los e obter uma maior sensação de bem-estar nos relacionamentos, mas isso não exclui estar ciente de honrar e respeitar os limites das outras pessoas.

Scroll to top