Codependência

A codependência é uma inclinação comportamental excessiva à preocupação e ao cuidado dos sentimentos, desejos e necessidades dos outros. O termo teve origem nos anos setenta na comunidade terapêutica norte-americana especializada em lidar com vítimas diretas e indiretas do alcoolismo. Observou-se que familiares e demais pessoas envolvidas com o(a) alcoólatra exibiam uma tendência exagerada ao controle de problemas alheios. Por possuir uma aplicação tão abrangente, o conceito de “codependência” tornou-se popular também fora da área de dependência química e hoje é amplamente adotado como jargão psicoterápico. Acredita-se que a codependência esteja no âmago de uma grande variedade de problemas de saúde mental, como os relacionados à baixa autoestima (comportamentos autodestrutivos), à ansiedade e ao descontentamento pessoal generalizado.

A codependência é um comportamento aprendido nos contextos das famílias disfuncionais. Entre os sistemas familiares com o potencial de causar a codependência, estão aqueles marcados por:

  • segredos e/ou relutância ao diálogo;
  • comunicação de forma indireta (uso de intermediários, por exemplo: filho(a), irmão(ã) para se dizer o que quer/pensa de um outro membro da família, por exemplo: mãe, pai);
  • negligência afetiva caracterizada pela repressão e a opressão da expressão de sentimentos, principalmente quando antagônicos;
  • problemas de saúde mental como a depressão, ansiedade, transtornos de personalidade e dependência química;
  • recusa de lidar com problemas de ordem psicológica e emocional;
  • acobertamento da incidência de problemas;
  • limites pessoais fracos, inconsistentes e que não são respeitados;
  • valorização do excesso de drama em vez de valorizar o entendimento e a serenidade;
  • excesso de controle/influência;
  • falta de incentivo ou rejeição à individualidade (vista como egoísmo) e à independência (vista como abandono/traição);
  • rigidez e inflexibilidade de valores;
  • chantagem emocional;
  • perfeccionismo;
  • incongruência: inconsistência entre o discurso e a ação;
  • excesso de culpa, raiva, agressividade (ativa ou passiva) e vergonha.

 

Para filhas de mães narcisistas, a codependência é uma consequência “natural” do convívio com o narcisismo. A dinâmica dos relacionamentos entre familiares sob a influência do narcisismo, seja materno ou paterno, rejeita a autonomia e o crescimento pessoal e favorece, indireta ou diretamente, comportamentos e atitudes que se submetem aos sentimentos e vontades do(a) narcisista. A família, quando regida pela tirania narcisista, “funciona” somente quando seus membros estão dispostos a ignorar seus próprios interesses para se concentrarem nos do narcisista, fazendo da negligência pessoal um processo “lógico” e necessário para a manutenção do status quo. Através deste processo de autoanulação constante, filhas, filhos e parceiros da pessoa com narcisismo aprendem a direcionar a sua atenção para fora de si mesmos, tomando para si a responsabilidade pelo bem-estar alheio. Com o tempo, esta dinâmica se torna a referência para relacionamentos não somente dentro, mas também fora do ambiente familiar.

Filhas de mãe narcisistas têm a tendência de agir como a mãe, psicóloga e adulto responsável pelas escolhas, necessidades, bem-estar, situação financeira, afetiva, social e emocional de seus parentes, amigos, parceiros amorosos, colegas de trabalho, e praticamente qualquer pessoa que julga “precisar” de ajuda, independente do nível de intimidade do relacionamento. Como filha de mãe narcisista e codependente, está sempre envolvida com problemas alheios enquanto ignora a própria felicidade. Filhas de mães narcisistas são “mártires”, ou “Madre Terezas” disfarçadas, colocadas ao mundo para consertar o que há de errado e curar o sofrimento do outro. Sem o drama e a confusão do desespero do próximo, a filha de mãe narcisista se sente entediada, vazia e perdida.

Como codependente, você…

– acha difícil falar sobre seus próprios sentimentos por não acreditar que sejam importantes,

mas se ressente quando não são valorizados;

– é obcecada em ajudar, mas se recusa a ser ajudada e se ressente quando não é oferecida ajuda;

– ajuda mesmo quando não é solicitada e fica ressentida quando esta é recusada;

– reage de maneira exagerada ao que não lhe diz respeito;

– preocupa-se com o que acontece com os outros;

– opta por relacionamento caóticos e repletos de drama, mas se ressente quando não dão certo;

– tem problemas de intimidade emocional;

– sabe o que é melhor para os outros, mas não tem ideia do que seja bom para si mesma;

– sente-se forçada a resolver o problema dos outros, mas ignora aqueles que lhe dizem respeito;

– fica chateada com os outros quando não seguem o que você sugere;

– sente-se atraída por pessoas carentes, inseguras, imaturas ou com problemas de baixa autoestima;

– se faz permanentemente disponível para ajudar os outros, mas se ressente quando abusam de sua ajuda;

– ajuda a perpetuar – mesmo que inconscientemente – a irresponsabilidade e a carência, como comportamentos abusivos e a dependência, seja emocional, psicológica, financeira e/ou química.

Para um estudo avançado sobre a codependência, recomendo o meu curso online “A codependência”. Neste curso, exploro o que é a codependência, como é observada no comportamento de filhas de mães narcisistas e a relação entre esta vulnerabilidade e o trauma. Para maximizar o seu aprendizado, este curso também inclui estratégias funcionais de como superá-la.

Filhas-de-Mães-Narcisistas-Conhecimento-Cura[1]

eBook Livro Digital – Filhas de Mães Narcisistas – Conhecimento Cura (formato pdf)

 15,79

  • Expanda o seu conhecimento sobre o narcisismo e como se reflete no comportamento de sua família
  • Estude as deficiências parentais da matriarca narcisista
  • Contém relatos de filhas de mães narcisistas e clientes da terapeuta Michele Engelke
  • Explore os problemas de comportamento e saúde mental tipicamente enfrentados por filhas de mães narcisistas
  • Aprenda como superar estes problemas
SKU: Conhecimento Cura (pdf) Categoria:

Avaliações

  1. Rc Cursos Online

    Olá aqui é a Mariana Da Silva, eu gostei muito do seu artigo seu conteúdo vem me ajudando bastante, muito obrigada.

  2. Cursos Online

    Olá aqui é a Carmen Silva, eu gostei muito do seu artigo seu conteúdo vem me ajudando bastante, muito obrigada.

  3. Curso De Tarot

    Aqui é a Camila parabéns pelo conteúdo do seu site gostei muito deste artigo, tem muita qualidade vou acompanhar o seus artigos.

  4. Letícia Almeida Gonçalves

    É desafiador manter um convívio sadio com a mãe narcisista. E quase impossível fazer os demais familiares ver e aceitar que isso existe. É como se mãe narcisista fosse uma fantasia da minha cabeça. Ser incompreendida pra mim é a fase mais dolorosa de todo esse trauma. Pq pra vencer queremos o apoio dos que amamos. Enfim é um desafio atrás do outro

  5. Camila Da Silva

    Sou a Camila da Silva, e quero parabenizar você pelo seu artigo escrito, muito bom vou acompanhar o seus artigos.

  6. Bianca

    Ótimo artigo, muito esclarecedor. Só que tem uma mãe assim sabe o sofrimento que ela causa. Para os outros familiares que são manipulados ou que tem que conviver pois não tem outra forma de sair somos “loucos/sem amor). sofri por muitos anos com uma mãe assim, hoje sou casada e mesmo assim ela tenta acabar com os meus dias, mas mesmo assim eu sigo firme e não deixo mais ela me abalar, por mais difícil que a situação seja.

  7. Ana

    Agradeço e parabenizo as informações aqui colocadas no blog ,minha mãe tem a maioria dessas características, parece que ela se incomoda com a minha felicidade e minha paz de espírito ,quer me fazer de fantoche dela ,só que eu a enfrento ,não permito que as ofensas dela penetre em mim pq sei quem eu sou ! Já sofri mto com isso mais agora não sofro mais 😊 e aquela coisa ou vc fortifica a sua auto estima ou vc se deixa levar pelo veneno e eu fortifiquei minha auto estima e ignoro as coisas que ela fala ! Aí ela já não me atinge mais como antes ! Mais assim que eu puder quero sair de casa e viver mais em paz com liberdade ! E bom cada um no seu quadrado ! Obrigada mais uma vez pelas informações

  8. Manu

    Incrível como tudo o que eu li se encaixa perfeitamente, eu só quero fugir dessa narcisista.

  9. Filipa

    É dificil ter de conviver com uma mãe Narcisista.Depois de muitos anos decidi cortar relações, mas não sem antes de ela destruri a minha relação com a minha irmã, que não reconhece e aceita que há manipulação, pois sempre pôs filhas umas contras as outras.Sou vista como invejosa, porque, a mãe agora gosta mais dela e têm mais orgulho nela.Preocupa-me muito porque chega ao ponto de tentar fazer com que os meus sobrinhos deixem de falar comigo e tenta controlar toda a comunicação, com os meus sobrinhos.Irá fazer o mesmo com os dois irmãos, e minha irmã não vê.Para além de ter inventado mentiras sobre a minha pessoa para o resto da familia, prejudicando a minha reputação, a familia (tios,tias, primos/as…..)deixaram de me falar.

  10. Nara

    Mimha mãe é tudo do jeito q está.escrito ai em cima…parece q ela me odeia e se incomoda com a minha felicidade…quando eu fico triste ela está alegre e quando to feliz ela fica furiosa…tenta destruir meu casamento e tenta por meus filhos um contra o outro..tenta fazer meu marido me detestar…em fim ela faz da minha vida um inferno…mas su nao me abalo mais pelas ofensas a ela diz…sei q o Senhor vai tirar ela da minha casa 🙌🙌

  11. Patrícia

    Hoje sei que tudo o que passei com a minha mãe, tem um nome “mãe narcisista” me brindei com o passar dos anos com o Afastamento dela com minha família, que mesmo não tendo tanto ctt quando nos encontrarmos a mãe narcisista aparece, Hoje Eu luto, com a ajuda de Deus para que minha filha não sofra como eu, e sempre falo pro meu esposo me vigia para que eu não seja como minha mae foi e é comigo! Obrigada.

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top